Home > Blog > 5 riscos pós-migração para a nuvem e como os CIOs podem evitá-los
5 riscos pós-migração para a nuvem e como os CIOs podem evitá-los

5 riscos pós-migração para a nuvem e como os CIOs podem evitá-los

O trabalho ainda está fluindo de data centers tradicionais para ambientes IaaS, a exemplo do Microsoft Azure. Porém, migrar uma carga de trabalho para um ambiente de nuvem é apenas parte do desafio e muitos riscos acompanham a mudança. Alguns podem ser evitados e outros preparados.

Risco 1: Arquitetura ruim leva a custos de computação exorbitantes

Embora em média 40% das cargas de trabalho de TI de uma empresa ainda sejam executadas em um data center privado, muitas empresas basicamente levantaram as mãos e disseram: “mova tudo para a nuvem o mais rápido possível”.

O motivo é que alguns querem esvaziar um data center alugado ou desligar e reaproveitar um próprio – outros fazem a mudança porque presumem que deveriam estar na nuvem e apenas pensaram que precisavam acabar com isso.

A situação inevitavelmente se transforma na adoção de uma estratégia de “elevação e mudança” para muitas cargas de trabalho, o que significa nenhuma tentativa de adaptar a carga de trabalho à nuvem.

O resultado: sistemas rodando no mesmo número de máquinas virtuais que eles faziam no data center, instâncias que espelham aquelas que rodavam lá e rodando em plena capacidade, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Isso pode se traduzir na mesma carga de trabalho, custando várias vezes mais para ser executado na nuvem do que no data center, o que pode facilmente ultrapassar o orçamento de TI. Os CIOs podem ter que emprestar recursos de outros projetos críticos ou estratégicos ou não têm escolha a não ser solicitar mais fundos.

A chave para reduzir custos está adaptando cargas de trabalho aos ambientes de nuvem. Até mesmo um salto rápido para a nuvem deve evitar uma abordagem de elevação e mudança não examinada e deve sempre incluir exercícios de dimensionamento correto para reduzir a configuração excessiva.

Para evitar o risco de migração para a nuvem de custos significativamente maiores, os CIOs e sua equipe de TI devem avaliar as cargas de trabalho para essas oportunidades de adaptação como parte do processo de integração da carga de trabalho da nuvem.

Risco 2: Má compreensão do ecossistema e de sua carga de trabalho

Da mesma forma, se uma equipe de TI não entender como os dados fluem para fora de um sistema que estão migrando para a nuvem, eles podem acabar enfrentando o risco de migração para a nuvem de aumento inesperado dos custos.

É importante lembrar que a entrada de dados é gratuita e a saída de dados custa.

O mesmo processo de integração de carga de trabalho que pode ajudar a identificar oportunidades para adaptar uma carga de trabalho para ser executado com eficiência na nuvem também deve mapear em quais outros sistemas o aplicativo é executado para entender melhor onde e quantos dados serão necessários para deixar o ambiente de nuvem e quanto vai custar.

Depois de classificado, a TI pode decidir como reduzir o risco de custos crescentes. As opções para eliminar esse tipo de problema – seja realizado como parte do processo ou após o fato – incluem a “re-arquitetura” do aplicativo para eliminar fluxos, implementar compressão, migração dos outros sistemas envolvidos para evitar a saída da nuvem e adicionar uma conexão direta à nuvem ou troca de nuvem para reestruturar e regularizar o custo.

Risco 3: ambientes em nuvem não sincronizados com a política de segurança

De acordo com o estudo de pesquisa global sobre nuvem, rede e infraestrutura da Nemertes Research, aproximadamente 66% das organizações têm algum tipo de processo de integração de carga de trabalho a seguir ao migrar uma carga de trabalho para a nuvem.

Nele, quase todos incluem configuração de segurança e 50% dessas organizações automatizam essa configuração. No entanto, ter a segurança configurada corretamente no momento da migração é apenas a primeira etapa.

Se os profissionais de TI não conseguirem incorporar de forma robusta a auditoria e a manutenção de cada ambiente de segurança em seus processos e sistemas de gerenciamento de mudanças regulares, eles inevitavelmente verão seus vários ambientes em nuvem e locais se afastarem.

Portanto, isso deixa a organização em risco de não cumprir a conformidade e aumenta o risco de comprometimento.

O processo de integração na nuvem deve incluir a confirmação de que cada nova oferta está vinculada ao processo de gerenciamento de mudanças, bem como incluir a atualização das políticas de segurança e auditoria conforme considerado necessário quando ambientes de nuvem totalmente novos são adicionados à essa combinação.

Risco 4: Visibilidade inadequada do desempenho e uso

As equipes de TI muitas vezes podem perder de vista o desempenho e a utilização do sistema em sistemas em nuvem, não porque não conseguem obter as informações, mas porque não planejam como obtê-las e como usá-las.

O foco na migração para a nuvem é mais intenso do que o foco no gerenciamento de operações contínuas na nuvem. Quando os administradores devem usar um conjunto de ferramentas diferente para adquirir os dados incorporados em um portal do provedor, isso diminui a probabilidade de as informações serem coletadas e usadas de forma consistente.

Um bom processo de integração deve conduzir a uma preparação adequada para operações em nuvem em cada carga de trabalho migrada. Idealmente, isso resultará na integração de dados do aparato de gerenciamento da nuvem no conjunto de ferramentas de gerenciamento existentes.

Isso também pode ser implementado após o fato, mas, em muitos casos, não será até que haja um problema significativo de desempenho ou disponibilidade.

Risco 5: gestão inadequada do ciclo de vida leva ao desperdício de dinheiro

Por último, existe o risco pós-migração para a nuvem de que a TI não rastreie os sistemas recém-implementados até o fim de sua vida útil.

Este é um problema familiar com a nuvem – os sistemas zumbis têm sido um problema desde o nascimento da virtualização de servidor e a nuvem o amplifica, pois é mais fácil perder o controle de um sistema que não tem lembretes físicos visíveis – em outras palavras, não servidor host sentado no rack.

Não é incomum que as equipes de TI configurem novos ambientes de teste e desenvolvimento sem desativar totalmente os antigos ou substituir um servidor por um serviço – por exemplo, substituir um banco de dados DIY SQL por um DBaaS oferecido pelo provedor de nuvem, mas apenas desligar o aplicativo de banco de dados original sem desligar a instância em que está sendo executado.

Além de desperdiçar dinheiro, esses zumbis podem criar riscos de segurança onde os sistemas operacionais não são corrigidos e as configurações não são mantidas, entre outros.

A jornada de adoção da nuvem com Microsoft Azure

Não há um caminho único para a adoção da nuvem que funcione para todas as organizações. No entanto, os principais estágios de implementação são semelhantes para todas as organizações e setores: definir sua estratégia, criar um plano, preparar sua organização, adotar a nuvem e controlar e gerenciar sua propriedade digital.

Microsoft Azure é a plataforma de computação em nuvem pública da Microsoft. Ela fornece uma variedade de serviços em nuvem, incluindo computação, análise, armazenamento e rede. Os usuários podem escolher entre esses serviços para desenvolver e dimensionar novos aplicativos ou executar os aplicativos existentes na nuvem pública .

A plataforma Azure visa ajudar as empresas a gerenciar desafios e cumprir suas metas organizacionais. Ela oferece ferramentas que suportam todos os setores – incluindo e-commerce, finanças e uma variedade de empresas da Fortune 500 – e é compatível com tecnologias de código aberto. Isso fornece aos usuários a flexibilidade de usar suas ferramentas e tecnologias preferidas.

Além disso, o Azure oferece 4 formas diferentes de computação em nuvem: infraestrutura como serviço ( IaaS ), plataforma como serviço ( PaaS ), software como serviço ( SaaS ) e sem servidor .

Com a ajuda do Azure, alcance suas metas de curto e longo prazos com uma estrutura de adoção de nuvem comprovada e projetada para ajudá-lo a criar e alinhar suas estratégias técnicas e empresariais.

Sobre a Advanced Info

Atuante no mercado de tecnologia desde 1987, a Advanced INFO se posiciona como líder em soluções e Nuvem e Modern Workplace, ajudando empresas de todo tipo e porte a percorrer a jornada de transformação digital para que façam parte da chamada 4ª Revolução Industrial.

Com a certificação Microsoft Gold Partner, nos classificamos como uma das maiores revendedoras da tecnologia da empresa no Brasil, dispondo aos nossos clientes toda a gama de tecnologias presentes na Azure, a plataforma de Nuvem da Microsoft, e na suíte de aplicativos e serviços Office 365.